Um Natal novo

586

É Natal!

Perdão, Deus menino, pelo nosso desatino, esse eterno pecar.

É Natal novamente, festa simplesmente no nosso pensar.

Aqui há horizontes incertos, desertos, céu encoberto por nuvens escuras.

E Natal novamente e há tantos descrentes, há dor, fome, guerra, violências: vãs sementes.

Há vendedores de alegrias, regateadores de sonhos, de fantasias.

Há mães esquecidas nos asilos do mundo, mendigando amor de filhos ingratos.

Há tantos perdidos, vivendo dos efeitos das drogas.

Falta o pão na mesa do irmão.

Há desemprego, miséria, desalento, tanto, sofrimento, incompreensão.

É Natal novamente: lojas repletas, belos presentes para vender.

Há mãos fechadas, seguras, incapazes de edificar.

E Natal novamente: nos casebres e nos paços luxuosos.

Paira no ar a esperança de renovação.

Mas acima das incompreensões humanas há um Deus, presença viva, que deixa pegadas seguras no chão.

E há uma luz perene de fé e esperança em muitos corações.

É Deus vivo que nasce, dando exemplo novo, induzindo-nos a viver um Natal novo em que todos sejam irmãos.

Um Natal cheio de graça, cheio de luz, marca fraterna de Deus onipresente.

Nós, despojando-nos das falências humanas, dos disfarces obscuros, buscamos nas profundezas do ser, do desconhecido ego, uma imagem humana, fraterna, que o tempo não apagou.

Esse é o Natal novo que todos devemos vivenciar para ser felizes.

FELIZ NATAL

Maria de Lourdes Tramontina Breda Guaporé-RS