É Natal

337
Feliz Natal

Vinte e quatro de dezembro. O sol vem rompendo as nuvens.

O tempo desliza paulatinamente. Os comerciantes abrem suas lojas.

Ruas e praças estão enfeitadas. Os camelos ali também se encontram.

Chega gente de todos os lados, formando um verdadeiro formigueiro humano.

Todos querem vender e comprar, mas acabam, eles mesmos, sendo vendidos e comprados.

O tempo continua passando.

Meio-dia. Muitos voltam para seus lares. Vão almoçar.

No caminho, encontram pessoas necessitadas,com fome de pão e de carinho, mas ninguém lhes dá.

Os homens vão correndo para casa.

Com eles, corre também o tempo. E anoitece.

O frio chega e ninguém se lembra de aquecer os que estão sem agasalho.

O frio continua. Frio vindo do espaço.

Frio oriundo dos corações humanos.

De repente, expectativa total, começa a contagem regressiva: dez, nove, oito… três, dois, um, zero!!!

Foguetes são lançados ao ar. Muitos se abraçam.

Comemoram. É Natal. Nasce um novo dia. Mas, que pena!

O novo dia é gêmeo, quase igual ao velho.

O tempo continua e com ele outros natais, mas, infelizmente, gêmeos, quase iguais.

O Natal sempre passa e o frio continua.

Frio, vindo do espaço. Frio oriundo dos corações humanos.

Façamos deste Natal a vida nova que renasce em nós, Jesus nasceu ! Que a harmonia,  paz e amor reine em nossos lares.

FELIZ NATAL

Alberto Grossi Teixeira Alto Rio Doce-MG